História do Vidro

Embora seja muito difícil saber a data exata é possível estimar que o vidro teve origem a pelo menos 6mil anos atrás, afinal foram descobertos objetos de vidro nas necrópoles egípcias. Outros autores manifestam que os navegadores fenícios são os primeiros na sua fabricação, pois ao estar em uma praia na costa da Síria, perceberam que os blocos de salitre e soda que utilizaram para improvisar uma fogueira com o calor do fogo escorria uma substância brilhante que se solidificava. Era o vidro. Um longo período se passou até que apenas 100 a.C., as técnicas de fabricação evoluíram, os romanos então começaram a utilizar o sopro, dentro de moldes o que tornou possível a produção em série.

 

Este processo teve seu ápice em Veneza no século XIII, mas após diversos incêndios provocados pelo calor dos fornos se achou por bem transferir tais fábricas para a ilha de Murano, próxima a Veneza. As vidraçarias de Murano são famosas até os dias atuais conhecidas pelos vidros multicoloridos que fez sua fama de espelhos e cristais. Já na França, país que produzia vidro desde a época do Império Romano, no final do século XVIII se atingiu a perfeição na fabricação. Foi então que o rei francês Luís XIV reuniu alguns dos melhores mestres vidreiro e fundou a Cia de Saint-Goiban, para a produção dos espelhos do Palácio de Versalhes na França. Esta empresa hoje de capital privado é uma das mais antigas em funcionamento no mundo e também se instalou no Brasil com sua primeira fábrica em 1982, no Vale do Paraíba em São Paulo, esta fábrica foi responsável por uma popularização de vidros duplos, que por sua vez foram utilizados nas primeiras Janela de PVC fabricadas no Brasil, ela trabalhava sob o nome de Santa Marina.

Mas o vidro no Brasil chegou bem antes, a primeira oficina foi montada aqui durante o período das invasões holandesas, no nordeste, entre 1624 e 1635, em Olinda e Recife (PE) por quatro artesões que acompanhavam o príncipe Maurício de Nassau. Eram fabricados vidros para as Janelas (de madeira), copos e frascos. A fábrica fechou após a saída dos holandeses do nosso território. Muitas foram as tentativas brasileiras de manter e fortalecer sua indústria vidreira a partir de então, temos notícias de em 1810, uma fábrica instalada na Bahia, que produzia vidros liso, frascos e garrafas, que fechou em 1825 devido a problemas financeiros, já em 1839 um italiano funda a Fábrica Nacional de Vidros São Roque, no Rio de Janeiro, e por ter seu processo pouco automatizado, com muito funcionários e limitado sofre concorrência dos produtos que eram considerados sobras na Europa e eram trazidos para o Brasil por preços muito baixos. Então em 1878 o Brasil recebe sua primeira fábrica com máquinas a vapor e elétricas, e a Vidros e Cristais do Brasil em São Cristóvão também no Rio de Janeiro, ela chegou a empregar 600 pessoas. Foi então que no século XX a produção de vidro no Brasil deixou de ser essencialmente artesanal, com a introdução de fornos contínuos e a existência de linhas semi e totalmente automáticas.

Composição

O vidro é composto basicamente por sílica, óxido de cálcio, carbonato de sódio, alumina e óxido de magnésio.

Sílica ou óxido de silício (SiO2): É o principal componente que forma o vidro e nada mais é do que areia. Sua quantidade percentual na fórmula do vidro chega a, aproximadamente, 70%, ela é extraída do leito de rios e de pedreiras;

Óxido de cálcio (CaO): É utilizado na composição do vidro para dificultar a cristalização da sílica, pois ele não permite que os átomos do óxido de silício reorganizem-se corretamente em cristais de areia; Carbonato de sódio (Na2CO3) ou Óxido de sódio (Na2O): Utilizado para remover toda e qualquer bolha de ar durante o processo de fabricação do vidro, além de contribuir para uma boa dureza e rigidez. Facilita também a fusão da sílica;

Alumina ou óxido de alumínio(Al2O3): Está na composição do vidro para conferir maior resistência a choques mecânicos;

Óxido de magnésio (MgO): Proporciona a capacidade de suportar mudanças bruscas na temperatura.

barrilha + calcário + areia → vidro comum + gás carbônico
Na2CO3 + CaCO3 + SiO2 → silicatos de sódio e cálcio + gás carbônico
x Na2CO3 + y CaCO3 + z SiO2 → (Na2O)x . (CaCO)y . (SiO2)z + (x + y) CO2

O Vidro na Janela

Em média 80 % do espaço que a janela ocupa no vão é tomado pelo vidro, ele desempenha diversas funções e cada uma dela deve ser estudada separadamente para se saber qual deve ser a escolha correta, dentre elas a entrada da luminosidade, a segurança aos choques, pressões de vento, o desempenho térmico e acústico, estética e outros. Sendo assim, a escolha do vidro não se trata apenas de uma cor ou uma espessura, ela deve ser encarada como um conjunto de fatores quase tão importante quanto a tipologia da Janela.

O aproveitamento da luz natural durante o dia é possível devido a transparência dos vidros, porém muitas vezes por questões estéticas se opta por vidros não transparentes o que afeta diretamente a entrada de luz no ambiente, ou a alteração na percepção de certas cores no ambiente, o que em certos casos pode ser proveitoso, afinal não é de hoje que sabemos que as cores podem ser usadas como influenciadores psicológicos, para acalmar, curar, e até favorecer o aprendizado (algo interessante para uma escola por exemplo). Entre os acabamentos relativos a cores o mais utilizado ainda é o transparente, seguido do opaco, que impede a nitidez da visão. Mas ainda temos os coloridos e refletivos, estes sendo comuns na utilização de verde, azul, cinza e bronze. Nestes casos o vidro é colorido ou recebe tratamento refletivo

Mas não é raro a sugestão de utilização de película, isto é uma lâmina colocada no vidro. Após seu processo de fabricação, normalmente inclusive, após seu corte. Estas películas são extremamente difundidas para uso em vidros automotivos, porém devem ser tratadas com certo cuidado quando se tratam de janelas, tendo em vista a vida útil do produto ser em média 4 vezes maior. Sendo assim, fique atento a qualidade e origem da película, a forma de instalação (caso seja na obra, atente para limpeza do vidro), e o mais importante, verifique se existe acesso para manutenção caso, algum infortuno aconteça.

Tipos de vidro

Vidro float ou vidro comum


O vidro float é um vidro plano transparente, incolor ou colorido, com espessura uniforme e massa homogênea. É o vidro ideal para aplicações que exijam perfeita visibilidade, pois não apresenta distorção óptica, e possui alta transmissão de luz. Ao quebrar forma cacos grandes e com bordas cortantes, não deve ser utilizado em Janelas abaixo de 1,20m de altura por segurança.

Vidro impresso ou opaco


O vidro impresso é um vidro plano translúcido, incolor ou colorido, que recebe a impressão de um desenho quando está saindo do forno. É muito utilizado em portas decorativas e Janelas de banheiro, pois oferecem privacidade mas mantém a passagem relativa de luz.

 

Vidro temperado


O vidro temperado recebe um tratamento térmico (é aquecido e resfriado rapidamente) que o torna mais rígido e mais resistente à quebra. Em caso de quebra produz pontas e bordas menos cortantes, fragmentando-se em pequenos pedaços arredondados. É largamente utilizado nas Janelas de PVC e também em box de banheiros pelo mesmo motivo, normalmente suportam melhor as trocas de temperatura.

Processo de Temperagem se dá com aquecimento entre 700° e 750° através de um forno e resfriamento com choque térmico, normalmente a ar, causando aumento da resistência por compactação das camadas superficiais. O aumento da resistência mecânica chega a 87%. O vidro após o processo de têmpera não poderá ser submetido a lapidação de suas bordas, recortes e furos, sendo assim ele só pode ser solicitado a indústria após a medição final do vão e o cálculo das dimensões finais.

Este é um dos principais gargalos hoje no prazo de entrega das Janelas de PVC pelo Brasil, pois o prazo médio de entrega de um jogo de vidros temperados é de 15 dias, podendo ser maior em regiões onde as indústrias são distantes e dependem de rota de entrega por exemplo. Por isso é importante sempre acompanhar seu cronograma e considerar essa necessidade de tempo.

Vidro laminado


O vidro laminado é composto por duas chapas de vidro (float ou temperado) intercaladas por uma película plástica de grande resistência (PVB - Polivinil Butiral) como um sanduiche. O vidro laminado é o produto adequado para telhados de vidro, fachadas, sacadas, guarda-corpos, portas, pisos e outros, pois em caso de quebra, os cacos ficam presos na película de PVB, evitando ferimentos e mantendo a área fechada até que a substituição do vidro seja realizada. Além disso, o vidro laminado possui outros benefícios, como a redução da entrada de ruídos externos (quando comparado aos vidros comuns) e a proteção contra os raios UV (Ultravioleta), pois o PVB barra 99,6% dos raios solares UV (Ultravioleta), protegendo as pessoas dos danos causados por esse tipo de raio, evitando o desbotamento e envelhecimento dos móveis, cortinas, tapetes e outros objetos.

Janelas Maxim-ar: Estas janelas por estarem sempre projetas para fora devem seguir a orientação de utilização de vidro laminado, principalmente se sua diferença de altura entre até o piso for superior a 3m, tendo em vista que a utilização de vidros que ao quebrar desprendem cacos (sejam grandes ou pequenos) podem atingir pedestres ou moradores da própria casa na área externa.

Vidro laminado acústico


É um vidro laminado com um PVB especial (acústico) e por isso funciona como um excelente isolante acústico. Verifique o nível e a frequência de isolamento que você deseja abafar antes de fazer o investimento, é uma seleção bastante técnica e vale o estudo da propagação sonora.

 

Vidro duplo ou insulado


É o conjunto de dois vidros separados por uma camada de ar ou gás, conferindo um desempenho térmico, sendo de uso quase obrigatório no caso de obras onde será utilizada a climatização forçada (calefação ou ar condicionado), pois ele trabalha na redução do consumo de energia. Largamente utilizado na construção civil dos países europeus, é quase que irmão gêmeo das Janelas de PVC, tendo em vista a sua apresentação simultânea na grande maioria de amostras de perfis de PVC para janelas. Mas, o vidro duplo está presente no nosso dia a dia, além das janelas também nas portas dos freezers e refrigeradores. O duplo envidraçamento pode ser composto por qualquer tipo de vidro (temperado, laminado), melhorando o desempenho térmico e acústico. Além disso, pode ser equipado com pinázios internos (quadriculados decorativos) e persianas internas, acionadas por meio magnético que encerram por vez com os problemas de higienização e alergias a cortinas, além de fornecer um conjunto com um efeito estético especial.

 

Vidro refletivo ou de proteção solar


É uma solução arquitetônica moderna, sendo indicado para locais onde há grande incidência de raios solares, como fachadas de prédios, grandes janelas e portas, telhados e outros, pois proporciona conforto térmico ao usuário do ambiente. Têm a função de reduzir a entrada de radiação (calor) para o interior do ambiente, atuando como um isolante térmico, além de produzir um controle na entrada da luz para o interior das edificações, fato que deve ser considerado, pois a reflexão sempre se dá no lado mais iluminado, o que faz com que a noite muitos ambientes tenham a reflexão invertida, e o passantes externos têm a visão total do interior enquanto os moradores enxergam apenas o reflexo no vidro. Dito isto, este tipo de vidro então deve ter seu uso priorizado nas regiões de grande incidência de radiação solar, pois reduz significativamente o consumo de energia elétrica com o ar condicionado. Produto considerado dentro do conceito de sustentabilidade, que hoje não se prende só a produção de sua própria energia, mas também na redução de seu consumo.

Vidro baixo-emissivo


É um vidro produzido em processo off-line e que apresenta baixa emissividade, ou seja, não permite a troca de calor entre o ambiente interno e externo. Quando utilizado como vidro duplo, isola termicamente até 5 vezes mais do que um vidro transparente float. Possui aparência de um vidro float incolor, reduzindo a entrada de calor ou frio.

 

Vidro resistente ao fogo


Os vidros resistentes ao fogo, sem malha metálica, são vidros laminados compostos por várias lâminas intercaladas com material químico transparente, que se fundem e dilatam em caso de incêndio. Essa reação se ativa quando a temperatura de uma das faces do vidro atinge 120ºC.

 

Vidros curvos


As vezes projetos especiais necessitam deste tipo de vidro. É uma solução que garante um design diferenciado e que pode ser aplicado em várias situações, dependendo da necessidade do projeto. Como os perfis de PVC podem ser moldados para a fabricação de curvas não são raras as criações arquitetônicas que fazem uso desses vidros, principalmente em áreas de lazer.

Vidro acidado


Submetido à solução ácida que age no vidro, de maneira controlada, criando texturas, desenhos e letras e promovendo um aspecto de translucidez. Pode ser fabricado artesanal ou industrialmente.

Vidro antireflexo


Contém micro texturas impressas em uma de suas faces, conferindo ao vidro a capacidade de eliminar reflexos luminosos. 

Vidro aramado


Vidro impresso translúcido incolor. Nele, é colocada uma rede metálica de malha quadrada. Em caso de quebra, o vidro fica preso à rede metálica. 

Vidro auto-limpante


Vidro incolor no qual é colocada uma camada de mineral fotocatalítico e hidrófilo, formando, assim, uma camada protetora de longa duração. É esta camada que impede o acúmulo de sujeira na superfície do vidro. 

Vidro bisotado


Também chamado de biselado, recebe tratamento especial em suas bordas para evitar acidentes e trincas. É utilizado principalmente na indústria moveleira. 

Vidro blindado


Vidro multilaminado, que protege contra disparos de armas de fogo. É fabricado através de um processo de calor e pressão, que utiliza - intercaladamente - duas ou mais lâminas de vidro, polivinil butiral (PVB) ou resina, poliuretano e lâminas de policarbonato. 

Vidro colorido


Existem três formas de produção industrial de vidro colorido: aplicação de aditivos na massa; deposição de camada refletiva e laminação de película plástica colorida. Vidro comum: Vidro com baixa resistência e fácil manipulação, utilizado basicamente em porta retratos e janelas. 

Vidro craquelado


Composto por uma camada interna de vidro temperado e duas camadas externas de vidro comum e duas lâminas de resina. Apresenta textura composta por uma infinidade de trincas que difundem a luminosidade do ambiente.

Vidro duplo com cristal líquido
É um vidro laminado, composto por duas chapas de vidro, entre os quais é colocado um filme de cristais líquidos em um campo elétrico. Quando este campo é ativado, os cristais líquidos se alinham, tornando o vidro transparente. Quando o campo magnético é desativado, o vidro passa a ser translúcido.

Vidro extra clear


Mais claro e transparente que o padrão, pois sua massa contém menos adição de ferro. 

Vidro fotovoltaico


Permite a absorção da radiação solar e convertem essa energia em eletricidade. 

Vidro Jateado


Jatos de areia ou de pós-abrasivos formam desenhos opacos na superfície do vidro. A opacidade garante privacidade ao ambiente. 

Vidro lapidado


Vidro com bordas lisas e não-cortantes, obtidas após o processo de lapidação. Pode ser utilizado em tampos de mesa, móveis, prateleiras etc. 

Vidro multilaminado


Composto por mais de duas lâminas de vidro intercaladas por uma ou mais camadas de polivinil butiral (PVB) ou resina. Os vidros comercialmente chamados de antivandalismo e blindados são vidros multilaminados. Indicados para bancos, vitrinas de lojas de luxo, guaritas, veículos, etc. 

Vidro para piscina e aquário


São projetados para suportarem a pressão hidrostática. Os fabricantes de visores possuem um departamento técnico que orienta sobre o cálculo das espessuras a serem utilizadas em cada caso. O vidro a ser utilizado deverá ser obrigatoriamente laminado.

Vidro pintado a frio


Recomendada especialmente para ambientes internos, a pintura a frio é feita com uma espécie de pistola (compressor).

Vidro Cubas


Cubas de vidro estão sendo bastante utilizadas na decoração de lavabos e banheiros de alto padrão. 

Vitral


Técnica artesanal a frio para fabricação de vidro artístico. Existem dois processos: chumbo e fita de cobre. Consiste em encaixar pedaços de vidro em perfil de chumbo ou envolver os vidros com a fita de cobre e soldá-los.

Espessura

Um vidro quanto mais espesso maior sua resistência mecânica, em geral para janelas se utilizam vidros a partir de 4mm de espessura, porém nas Janelas de PVC tendo em vista que o vidro também é responsável por prosseguir o desempenho térmico e acústico que o quadro (perfil e componentes) fornece é interessante o uso de espessuras maiores, isto é, a partir de 6mm. A espessura de um vidro interfere diretamente no desempenho acústico, devido a massa de bloqueio das ondas sonoras, sendo assim a utilização de vidros espessos (a partir de 8mm) é entendida como primordial. Os vidros produzidos no Brasil são encontrados em geral até a espessura de 19mm (quase 2cm), mas sob encomenda alguns fabricantes conseguem espessuras maiores até 50mm, tudo depende da demanda e do projeto.

O Vidro é sólido ou líquido?

“O vidro é um sólido não cristalino que apresenta o fenômeno de transição vítrea. Enquanto o sólido cristalino possui uma estrutura microscópica periodicamente organizada, o sólido não cristalino, por outro lado, possui uma estrutura desordenada, com ausência de simetria e periodicidade translacional. Existem dois tipos de sólidos não cristalinos, o vidro e os sólidos amorfos — estes não apresentam o fenômeno da transição vítrea (que será mais bem explicado a seguir).

O vidro é considerado um sólido não cristalino porque a sua temperatura de resfriamento está abaixo do momento em que suas partículas começam a organizar-se para realizar o processo de cristalização. Assim, dizemos que é um resfriamento abaixo da temperatura de transição vítrea.

A temperatura de transição vítrea refere-se à passagem do estado vítreo para o estado viscoelástico. O estado viscoelástico descreve um comportamento de um corpo que responde elasticamente ao ter uma força aplicada sobre ele. Por outro lado, o estado vítreo descreve o comportamento de um corpo que não se deforma ao ter uma força aplicada sobre ele. Sua tendência é absorver a energia e dissipá-la, quebrando-se.

Assim, quando a massa fundida é resfriada para a formação do vidro, esse resfriamento ocorre em uma temperatura abaixo da temperatura de transição vítrea e em uma velocidade que não permite que os átomos se organizem em cristais. Dessa forma, forma-se um corpo que apresenta essa transição vítrea.

Assim, podemos concluir que o vidro é um sólido não cristalino que exibe o fenômeno de transição vítrea, podendo ser produzido a partir de materiais inorgânicos, orgânicos e metálicos.”

Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

 

Vidro Jumbo

Muitas vezes ouvimos a palavra Vidro Jumbo e imaginamos placas realmente gigantes de vidro, e assim são. Mas para entrar um pouco no mundo do que é chamado vidro Jumbo, valem algumas informações:
As Chapas de vidro padrão são normalmente de 3,21m x 2,2m; 3,21m x 2,4m; 3,21m x 2,5m; 3,21m x 2,54m ou 3,21m x 2,6m.

Elas podem variar em espessura, mas em geral são estes os tamanhos que os distribuidores trabalham. É sempre bom lembra que com exceção de vidros impressos (aqueles que possuem desenho) e alguns outros com tratamento estético que devem ser usados em determinado sentido o vidro de forma geral pode ter seu aproveitamento tanto na largura quanto no comprimento. Existem softwares capazes de calcular o melhor aproveitamento de cada chapa, o que é muito importante do ponto de vista econômico e também de gerenciamento de resíduos.
 

Mas, e os Vidros Jumbo?


Bem eles são em sua maioria mais compridos, então chegam aos tamanhos de 3,21m x 4,5m; 3,21m x 5,1m e até 3,1m x6,0m. A sua espessura também varia e normalmente deve ser considerada com grau de segurança. Então vale lembrar alguns detalhes quando se fala de grandes vidros:
 

  • Faça a especificação correta, principalmente do tratamento (temperagem, laminação ou duplagem);

  • Verifique se a empresa que fornece o vidro é homologada pelo INMETRO, existem normas técnicas que as empresas devem seguir, a principal é a ABNT NBR 7199, que garante conformidade do produto entregue;

  • O perfil utilizado também é muito importante, pois o conjunto vidro mais perfil, que forma a janela, passa a ser ums coisa só dentro do vão, então não é possível se colocar vidros grande em perfis minimalistas que não estão preparados para o peso. Lembre-se que existe uma grande diferença entre folhas fixas (sem movimento) e folhas móveis (corre ou giro);

  • A instalação deve ocorrer obrigatoriamente com equipe especializada, afinal não são raros os acidentes com vidros, que causam inclusive a morte do envolvidos ao redor do mundo. Então busque saber sobre a experiência que a empresa tem em instalação e movimentação de grandes peças de vidro;

  • Por último considere que grandes vidros exigem uma cautela maior para a limpeza, então lembre-se que todo vidro deve ser limpo em geral a cada 21 dias, para manter sua propriedade de transparência e beleza, então planeje também como isso será realizado.